Translate

Wikipedia

Resultados da pesquisa

terça-feira, 6 de janeiro de 2015

Nada de Novo



 
 
O ministro da Fazenda Joaquim Levy é no momento a figura pop do governo Dilma. Vários setores da economia nacional e internacional têm aplaudido as suas opiniões e o seu temperamento tecnocrático. Suas falas e o seu comportamento, com todo um gestual polidamente acadêmico, demonstram solidez nos argumentos apresentados, mas, mesmo com tantos elogios mediáticos, até agora a “nova” dinastia da pasta mais cobiçada da esplanada dos poderes, não sinalizou reformas consistentes no plano social.

Lobos famintos desse capitalismo selvagem, representados por banqueiros e empresários, vibram com as novas expectativas lançadas pelo atual comandante dos cofres públicos e regulador das finanças do estado. Somente eles, pois na geral ninguém sabe exatamente o sentido dos discursos do novo ministro, que tem um tom definitivamente pragmático e conservador. Nada utilitarista.

O governo, nos bastidores, mantém com pulso firme o submundo das suas relações entre aqueles que tem a chave do caixa dois. Toda a estrutura projetada para ludibriar a Polícia Federal e o sistema judiciário estão presentes. Não podemos nos esquecer que as máximas aplicadas ao longo dos anos pelos tucanos e petistas é, na sua essência, Gramsciana. E Joaquim Levy, não saíra do trilho. Suas dinâmicas de ações são ordenadas por um grupo fechado. Ele recebe a mensagem e as concretiza. Para qual finalidade? Uma delas, fortalecer Lula para 2018.

Com toda certeza, Aécio Neves vai querer ser candidato. É novo e tem energia. Mas conseguirá segurar a onda sem ter o domínio da máquina do seu estado? Sua voz e do seu príncipe Antonio Anastasia serão ouvidas por uma pequena fatia da classe média. Não terão potência para criar um cenário promissor. Vão nadar contra a corrente. Farão história? Possivelmente, mas será muito barulho por nada.

Voltando ao ministro da Fazenda Joaquim Levy, sua missão será acalmar os nervos do mercado interno, estabelecer diretrizes para confrontar os economistas de oposição e, acima de tudo, projetar um quadro que favoreça o seu chefe maior, que é Lula. Portanto, nada de novo em 2015.

Nenhum comentário :

Postar um comentário